Taça De Coral

written by Antônio Mariano de Oliveira

Taça De Coral

— Antônio Mariano de Oliveira

Lícias, pastor — enquanto o sol recebe,

Mugindo, o manso armento e ao largo espraia.

Em sede abrasa, qual de amor por Febe,

— Sede também, sede maior, desmaia.

Mas aplacar-lhe vem piedosa Naia

A sede d'água: entre vinhedo e sebe
Corre uma linfa, e ele no seu de faia

De ao pé do Alfeu tarro escultado bebe.

Bebe, e a golpe e mais golpe: — 'Quer ventura

(Suspira e diz) que eu mate uma ânsia louca,

E outra fique a penar, zagala ingrata!


Outra que mais me aflige e me tortura,

E não em vaso assim, mas de uma boca

Na taça de coral é que se mata',


Poem of the Day

Epistle To William Simson

Robert Burns

I GAT your letter, winsome Willie;
Wi' gratefu' heart I thank you brawlie;
Tho' I maun say't, I wad be silly,
And unco vain,
Should I believe, my coaxin billie
Your flatterin strain.

Read Full Poem

Poet of the Day

William Roscoe

He was born in Liverpool, where his father, a market gardener, kept a public house called the Bowling Green at Mount Pleasant. Roscoe left school at the age of twelve, having learned all that his schoolmaster could teach. He assisted...

Read Full Biography